Ibitinga, Quinta, 19 de Julho de 2018
Pecuarista de Ibitinga aposta em criação de búfalos
Criador já ganhou vários prêmios, desde regionais até internacionais, por oferecer qualidade na criação de búfalos

  A bubalinocultura é um grande destaque da pecuária brasileira no cenário mundial. O Brasil é dono do segundo maior rebanho efetivo do mundo, com cerca de 200 milhões de cabeças, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Além disso, desde 2004, conquistou a liderança nas exportações, com um quinto da carne comercializada internacionalmente e vendas para mais de 180 países.

   Os búfalos possuem precocidade, docilidade, rusticidade e longevidade aliadas à grande capacidade de adaptação as pastagens brasileiras. Foi, justamente, a característica de ser um animal muito dócil, que encantou associado do Sindicato Rural de Ibitinga e extensão de base em Tabatinga (SR), Edson Julien, criador de búfalas leiteiras há 18 anos. “Sempre trabalhei com gado de leite. Tirava das vacas e vendia de carroça nas ruas. Em 1998, comprei a primeira búfala e fiquei encantado por ser tão dócil, depois passei a trabalhar com um amigo, que era criador de búfalas. Me tornei meeiro na fazenda dele e, aos poucos, as coisas foram acontecendo. Trabalhar com búfalos, foi um marco histórico na minha vida”, destaca o criador.

  A produção e o consumo de leite de búfala vêm crescendo em função da demanda por alimentos como queijos e manteiga. Os elevados teores de gordura e sólidos totais no leite de búfala aumentam o rendimento na fabricação dos derivados em relação ao leite de vaca. A carne desses animais também é apreciada, contêm menores índices de gordura, colesterol, calorias e mais proteína e minerais do que a carne dos bovinos. Crianças que possuem alergias a leite e intolerância a lactose podem tomar, pois a bebida não possui colesterol, apenas o positivo. Segundo Edson, são necessários cerca de dez litros de leite de vaca para produção de um queijo, já o de búfalo, requer menos, seis litros”, enfatiza.

   O criador já ganhou vários prêmios, desde regionais até internacionais, por oferecer qualidade na criação de búfalos. O retorno tem sido bom, segundo Edson, a cotação da carne de búfalo costuma acompanhar a do boi. “Fica R$ 5,00 abaixo da carne bovina. Existem muitas raças de búfalos, entre elas, Murrah, Mediterrâneo, Jafarabadi e Carabao, mais comuns no Brasil. Segundo o criador, quanto mais enrolado ou caído o chifre do animal, melhor é a raça.

   Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o rebanho brasileiro proporciona o desenvolvimento de dois segmentos lucrativos. As cadeias produtivas da carne e leite. O valor bruto da produção desses dois segmentos, estimado em R$ 67 bilhões, aliado a presença da atividade em todos os estados brasileiros, evidencia sua importância econômica e social para o país.

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2018 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546