Ibitinga, Sábado, 17 de Novembro de 2018
Cresce número de produtores rurais que investem na piscicultura em Ibitinga
Com produção total de 483,24 mil toneladas de peixes, em todo país, a atividade beneficia várias famílias

A piscicultura está se popularizando no Brasil, principalmente devido as boas condições climáticas e a grande variedade de espécies existentes na costa e nos rios em todo o país. De acordo com um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado no final do mês de setembro, houve um aumento de quase 10% na produção de peixe em 2015. Em todo o país, a mesma pesquisa apontou uma produção total de 483,24 mil toneladas de peixes.

  Piscicultor há mais de 10 anos, Dagoberto Villela, proprietário do Sítio Santo Antônio, em Ibitinga, sempre investiu na criação e venda de peixes para estabelecimentos tipo 'Pesque e pague”, porém, no último ano, com o aumento do preço da ração e o número crescente de furtos investiu em outra alternativa. “Em 2016 iniciamos com a venda de iscas de lambari. Ainda não temos um resultado concreto, mas a produção tem se tornado mais viável e acabaram os roubos em função de os peixes serem menores”, enfatizou.

   Há seis anos na atividade, fornecendo também para “Pesque e Pague”, Rubens Furco, proprietário da Estância Zumira juntamente com sua família, se especializou na produção de Pacu. “Existe toda uma preparação, que leva em torno de um ano e possui um tratamento diferenciado, para a produção desta espécie”, explica o piscicultor que avalia o momento dentro do contexto geral de crise econômica. “Já tivemos tempos melhores com a comercialização de peixe, mas acredito que as vendas tenham enfraquecido no mundo todo, devido a esse período de crise que estamos enfrentando” pontuou Rubens.

   Apesar de 2016 ter sido considerado um ano difícil pelos piscicultores, de modo geral a atividade é bem vista e eles garantem que a criação de peixes, durante os últimos anos, tem sido uma ótima opção, proporcionando um elevado nível de qualidade do peixe para consumo humano, devido aos cuidados com alimentação, controle das taxas de crescimento e das propriedades da água dos viveiros e tanques onde os peixes são criados.

   Além disso, a prática da piscicultura possibilita a criação de espécies que estão ameaçadas de extinção, contribuindo para a preservação da diversidade da fauna e gerando renda ao pequeno e médio produtor rural, usando um modelo de trabalho sustentável.

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2018 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546