Ibitinga, Quarta, 19 de Setembro de 2018
Dieta mediterrânea retarda o envelhecimento do cérebro
Estudo indica que fazer boas escolhas à mesa é importante para reduzir a perda de volume cerebral ao longo da vida

  Mais um benefício na conta da aclamada dieta mediterrânea. Além de proteger o coração e prevenir diversos tipos de câncer, seguir um cardápio natural, baseado nos hábitos de países como Grécia e Espanha, que costumam privilegiar alimentos como o azeite, as castanhas e os peixes frescos, parece favorecer o desempenho de funções cognitivas na velhice. O achado vem de um artigo assinado por pesquisadores escoceses, ingleses e canadenses e foi divulgado recentemente pela Academia Americana de Neurologia. O estudo foi realizado na Universidade de Edimburgo, na Escócia

  Depois de observar por três anos a alimentação de 967 pessoas que não sofriam de demência, pesquisadores recrutaram 562 delas para um exame que mede o volume neuronal, a quantidade de massa cinzenta e a espessura do córtex, a camada mais externa do cérebro. A idade média dos voluntários era de 70 anos. Após essa primeira batelada de testes, 401 voluntários foram acompanhados por mais três anos. Ao final do período, os experts analisaram novamente todos os parâmetros cerebrais deles.

  Com a análise em mãos, era hora de compará-la ao que costumava entrar no prato dessa turma. Para surpresa dos especialistas, aqueles que consumiam mais frutas, hortaliças, azeite de oliva, legumes, arroz, peixes, aves, laticínios e vinho — um cardápio típico da dieta mediterrânea — apresentaram menor perda de volume cerebral nos seis anos anteriores. O mesmo ganho não foi observado na quantidade de massa cinzenta e na espessura do córtex, os outros dois aspectos avaliados.

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2018 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546