Ibitinga, Quarta, 19 de Setembro de 2018
Cultura de abacaxi garante diversificação e renda
Em busca de novas oportunidades, associados do Sindicato Rural como Moiséis Ferreira Gomes investem em culturas diversificadas Moiséis

  Doce, saboroso, nutritivo e entre outras características, o abacaxi tornou-se uma ótima alternativa de cultivo para o produtor rural e aliado para aqueles que optam por uma alimentação saudável. O abacaxizeiro produz uma fruta de sabor equilibrado entre acidez e açúcar, que contém vitaminas A, B1 e C auxiliando no processo digestivo, sendo bastante consumido pela população in natura, industrializada em calda, em suco ou na produção de geleias.

   A safra natural do abacaxi é geralmente no período mais quente, ou seja, no final e início do ano, mas pode ter a produção induzida para outras épocas através do uso de indutores próprios de florescimento.

  De acordo com o produtor de abacaxi e associado do Sindicato Rural de Tabatinga, Moisés Ferreira Gomes, para o plantio do abacaxi é necessário um bom preparo do solo, fazendo a correção nutricional conforme recomendação técnica, a análise de solo, e deixando a terra sem terrões. “Ele é plantado através de mudas que são  adquiridas de terceiros ou produzidas na própria propriedade. São os brotos que a planta gera após a colheita do abacaxi. O plantio é realizado em pares de ruas distanciados em 45 cm na rua do par e 90 cm nas entrelinhas que separam os pares. Entre plantas na linha, aproximadamente 30 cm são suficientes. Depois de plantado, devem ser feitos os tratos culturais necessários, mantendo a cultura no limpo e realizando as adubações de cobertura necessárias, também conforme recomendação técnica, e a manutenção da cultura no limpo durante todo seu ciclo que é de aproximada-mente um ano e meio”, finalizou Moisés.

  Segundo alguns especialistas, a vantagem é que o plantio é adensado, ocupando pouco espaço por planta, porém, tem custo elevado de implantação com preparo adequado de solo, aquisição de mudas, correção do solo e mão-de-obra especializada para o plantio. Seu ciclo é longo, entre um ano e meio ou mais, e acarreta grandes despesas com a manutenção da cultura no limpo e adubações. A planta produz um único fruto e, após a colheita e retiradas as mudas, a plantação deve ser renovada. Com o crescimento das áreas de plantio na região, também vem aumentando consideravelmente o aparecimento de pragas e doenças, encarecendo ainda mais sua produção.

   “Em Tabatinga, esse último ano, entreguei muito pouco, pois houve muita oferta e os preços oferecidos pelo mercado ficaram abaixo do custo de produção. Outra opção de venda são as compras governamentais, cujos preços ainda compensam, porém, com o aumento da oferta, a expectativa é de conseguir colocar cada vez menos frutos nessa opção de venda.

 O preço de venda da fruta na roça esse último ano, para um fruto médio, foi de R$ 1,00 a R$ 1,50. Os maiores, não passaram de R$2,00. Soube de produtor que entregou frutos de tamanho médio por R$ 0,75”, relatou Moiséis.

   O presidente do Sindicato Rural, Luiz Flávio Pinheiro, reforça esta ideia. Para ele, este caso, assim como de outros associados que também estão produzindo abacaxi, entre outras culturas, corresponde a um belo exemplo da possibilidade de diversificação de culturas.

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2018 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546