Ibitinga, Quinta, 16 de Agosto de 2018
Pederneiras:TJSP 'derruba' leis que beneficiam servidor municipal
Licença prêmio, 14º salário e vale de Natal são inconstitucionais
Pederneiras:TJSP 'derruba' leis que beneficiam servidor municipal
Reunião na prefeitura de Pederneiras para definir qual solução será dada após acórdão do TJ

 O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo considerou inconstitucional a lei municipal que estabelece a licença prêmio, 14º salário e vale de Natal, que estão ligados à assiduidade dos funcionários públicos municipais de Pederneiras. Na decisão não será necessária a devolução dos valores, porque os desembargadores consideraram que houve boa-fé no recebimento até a data do julgamento.

   A Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) foi ajuizada pela Procuradoria Geral do Estado contra a Lei nº 2.821, de 27 de maio de 2010 (com as alterações introduzidas pela Lei nº° 2.829, de 24 de junho de 2010, Lei 2.899, de 15 de junho de 2011, Lei Complementar nº° 3.189, de 11 de outubro de 2013 e Lei Complementar nº 2.250, de 30 de novembro de 2011 e, por arrastamento, também a Lei Complementar nº 2.250, de 30 de novembro de 2011.

   O Ministério Público vem acionando o poder público municipal desde 2016 para a revogação da Lei 2.250, criada em 30 de novembro de 2001, e de todas as outras decorrentes dela, relacionadas aos três benefícios pelo fato de estarem ligados à assiduidade dos funcionários, gerando uma ação de inconstitucionalidade dessas leis.

   A Procuradoria acionou o prefeito municipal e o presidente da Câmara. O acórdão já foi publicado. Em nota, o prefeito Vicente Minguili admite que a decisão do TJ prejudica sobremaneira o funcionalismo, já que tais benefícios eram situações com que o servidor contava, seja na parte financeira, com um salário a mais, ou na licença prêmio.

   Na tentativa de minimizar as perdas, Executivo e Legislativo se reuniram para discutir o assunto e encontrar uma solução na manhã desta quinta-feira na Câmara, onde participaram o vice-prefeito Márcio Urrea, o procurador jurídico Reinaldo Aleixo, o secretário de Finanças, Sidnei Colaciti, a secretária de Planejamento, Rita Garnica, o secretário de Administração, Diógenes Magalhães, o presidente da Câmara Joãozinho da Farmácia e os demais vereadores.

   Por enquanto, para minimizar a situação a prefeitura vai fazer o acréscimo de R$ 100,00 no vale-alimentação a partir do próximo pagamento no mês de agosto (referente a julho). De acordo com nota da prefeitura, a partir do próximo mês, o funcionário público municipal passa a receber R$ 580,00 de vale-alimentação, em vez de R$ 480,00. Com relação a licença prêmio, vai depender de um novo projeto a ser aprovado no Legislativo.

   O TJ considera a lei inconstitucional por contrariar as disposições dos artigos 111 e 128 da Constituição Estadual, porque "a concessão de bonificação, de forma genérica, mediante cumprimento de deveres inerentes à função, como é o caso da gratificação por assiduidade, não se compatibiliza com os princípios da moralidade, da razoabilidade, finalidade e interesse público", principalmente "a assiduidade constitui dever funcional elementar que não demanda recompensa, além de contraprestação pecuniária pelo vencimento".

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2018 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546