Ibitinga, Terça, 12 de Novembro de 2019
Loja Tend Quase Tudo completou 25 anos
Celebração será com a população, no dia 18, com promoções e produtos com até 60% de desconto
Loja Tend Quase Tudo completou 25 anos

Trajetória da família da Mata foi marcada por superação, e está sendo passada por gerações. No início, as vendas em Ibitinga aconteciam em barraca, na calçada, em frente ao Banco do Brasil  

 

 

 No dia 16 de junho deste ano, o Shopping Tend Quase Tudo completou 25 anos que está sediado em Ibitinga. No próximo dia 15, completa dez anos que a loja está no atual endereço, na Rua Treze de Maio, 638, no Cento da cidade.

  No próximo dia 18, para comemorar os 25 anos da loja e os 10 anos do atual endereço, terá uma super festa de aniversário com diversas promoções relâmpago, com descontos de até 60%; além de distribuição de algodão doce e pipoca.

   O Shopping Tend Quase Tudo, possui atualmente uma variedade de 60 mil itens, distribuídos em 15 setores, entre eles setores de ferramentas, jardinagem, papelaria, brinquedos, livraria evangélica, utilidades domésticas, peças de bicicleta, presentes, entre outros. Segundo a direção da loja, são milhares de itens, oriundos de mais de 600 empresas fornecedoras, direta e indiretamente.

História da Loja Tend Quase Tudo

   Os jovens Tiago e Lucas, fruto da união do casal Raimunda e Francisco da Mata, são a quarta geração de comerciantes. Isaque Yuri, de 4 anos, filho de Tiago da Mata, poderá ser a 5ª geração de comerciantes, caso venha seguir os passos do tetravô, o que vem acontecendo de geração em geração.

   Fixar residência e o comércio da família da Mata em Ibitinga, começa com uma história um pouco mais antiga do que os 25 anos da loja, propriamente dita.

   Francisco e Raimunda se casaram no dia 17/10 de 1987, na cidade de Rio Claro. Francisco já desempenhava a profissão de feirante, desde os 15 anos de idade, coisa que aprendeu com o seu pai. O jovem casal ia de cidade em cidade, e montava uma barraca com diversos produtos de ferramentas e utilidades domésticas. Praticamente ficavam 20 dias fora de casa trabalhando em diversas cidades em todo Estado de São Paulo.

   Acontece que a partir de 31 outubro de 1990, Raimunda se recorda que o trabalho começou a ficar mais difícil. Deus deu de presente para o casal, o primeiro filho, Tiago. Trabalhar em outras cidades foi ficando complicado para o casal por causa do bebê, e ainda, não contavam com alguém de confiança disponível para deixar a criança.

   Quando o filho da casal completou um ano, mãe e filho começaram a acompanhar o patriarca da família na missão de visitar cidade após cidade montando a barraca e vendendo seus produtos. “Ficava mais complicado, porque ficávamos na praça e tinha que dar banho no bebê, cozinhar em um fogão de 2 bocas, tinha que lavar louças, roupa e até dormir embaixo da barraca”, recorda Raimunda. “Mas quando estávamos nós três juntos, já estávamos felizes, pois tínhamos a companhia do nosso filho”, relembra Raimunda.

   Quando vinha a tempestade, o que aconteceu muitas vezes, nossas mercadorias acabavam voando para a praça a fora. O vento descobria a barraca, e não tinha outra solução para o casal a não ser sair debaixo de chuva pegando os produtos que o vento esparramava. Tudo isso enquanto o bebe ficava na cama improvisada em cima de um madeirite em baixo da barraca.

 Certa vez, o casal partiu de Rio Claro rumo à Ibitinga, e fixaram a barraca na calçada da esquina entre a Rua Domingos Robert com a Rua Prudente de Moraes, em frente ao Banco do Brasil, o que se tornou corriqueiro já que teve uma grande aceitação da população local, que aguardavam para adquirirem seus produtos.

  Com muita dificuldade, a família montava a banca uma vez por mês aqui em Ibitinga, mas por ordem da Prefeitura, às vezes chegavam no local e eram impedidos de trabalhar, obrigando-os a irem embora, para procurar outro lugar, em outra cidade. Até que receberam a notícia de que o prefeito da época havia deter-minado de vez, que a família estava proibida de trabalhar como ambulante na cidade.

   Então o casal decidiu, após apoio e pedidos de amigos, clientes, como o seu Roque de Rosa, o Florisvaldo, o Lemão da Farmácia, e outros, se estabelecer em Ibitinga. Com muita dificuldade, naquela época, eles não tinham condições de comprar um ponto, mas tiveram uma oportunidade, de um ponto em um prédio pequeno, ao lado da Magazine São João.

 Por causa da uma enorme dificuldade financeira, depois do ponto adquirido, a família ainda se viu obrigada a trabalhar com sua barraca em outras cidades, por um período de quatro meses para bancar a reforma do local, para só então poderem montar seu primeiro estabelecimento comercial.

 Antes da inauguração da loja, mesmo com o ponto já alugado, a Prefeitura também negou que o casal montasse sua barraca na praça, mesmo que por um pequeno período até que acabasse a reforma do prédio. Por causa disso, a família ia trabalhando nas cidades vizinhas como Borborema, Itápolis, Bariri, Novo Horizonte, entre outras.

  Em 16 de junho de 1994, abriram as portas da primeira loja, e devido as condições, moravam na própria loja, em um elevado no forro, onde adaptaram um quarto. Nesta época o filho do casal já estava com 04 anos.

  Em 1995, como a loja foi ficando pequena para mais mercadorias que iam chegando, outro prédio foi alugado, um ponto muito maior que o primeiro, na Rua Prudente de Morais, esquina com a Rua Daniel de Freitas. “A loja era tão grande que não tínhamos mercadoria para preencher o espaço”, lembra Francisco, que neste momento então conseguiu fixar a residência da família, na casa que tinha nos fundos do prédio.

 Nesse ponto, de frente para a Rua Daniel de Freitas, existia um barra-cão que era usado como garagem. Foi então que montaram a primeira loja de R$ 1,99 em Ibitinga, chamada “Baratex”. “Estavam pipocando lojas desse tipo em todas as cidades do Brasil, e nós fomos a primeira loja deste tipo em Ibitinga e região”, explicou Francisco.

 Após alguns anos, uma loja de sapatos que funcionava em uma parte do prédio, com frente para a Rua Prudente de Moraes, desocupou, e transferiram a Loja Baratex para o local.

  O tempo foi passando, a loja e a popularidade crescendo, porém, em 2009, uma notícia preocupou muito o casal: o prédio havia mudado de dono, o qual iria reformar o local (prédio este onde hoje é a Óticas Carol), e assim tiveram procurar outro local para estabelecer sua loja.

   Foi então que se mudaram para o prédio na Rua Treze de Maio, 638, onde permanecem até hoje. Depois de uma grande reforma no prédio, houve no dia 15 de Setembro de 2009, a inauguração no novo prédio; muito maior e com estacionamento. O prefeito da época, Marco Fonseca, ajudou a cortar a fita de inauguração.

   O sucesso da loja foi tanto, que a loja voltou a ser ampliada; e o dono do imóvel foi procurado para avaliar a proposta de ampliação. No local onde era um estacionamento, se deu espaço para um novo prédio, que foi inaugurado na festa de 22 anos da Loja, que passou a ser carinhosamente chamado de Shopping.

  “Graças a Deus, o povo de Ibitinga e da região foram nos apoiando e nos prestigiando em toda a nossa traje-tória, durante esses 25 anos que estamos completando”, avaliou Raimunda, que até hoje, junto com o esposo Francisco e o filho Tiago, trabalham na mesmo atividade, e se preparam para a grade festa de 25 anos que será realizada no próximo dia.

comentários
Folha de Ibitinga
Conheça um pouco mais sobre nós.

leia mais
redes sociais Acompanhe-nos em nossas redes sociais.
whatsapp (16) 98135-4546

Todos os direitos reservados © Folha de Ibitinga 2019 - contato@folhadeibitinga.com.br - telefone: (16) 98135-4546